maio 14

[Alemanha] 1º de Maio anticapitalista atrai milhares de pessoas em Berlim

Aproximadamente 15.000 pessoas participaram da passeata anticapitalista do 1º de Maio em Berlim. Novamente a manifestação contou com um bloco negro dinâmico e concorrido.
Durante o curso do protesto os manifestantes quebraram janelas de vidros de vários bancos e grandes lojas. Um posto policial também foi atacado com pedras e garrafas e diversos carros de patrulha dos agentes de segurança foram danificados.
Um grupo de policiais também foi alvejado por um ataque de chuva de pedras. Logo após se generalizou um confronto entre a polícia e grupos de manifestantes. Os policiais lançavam bombas de gás lacrimogêneo e gás pimenta. O revide dos ativistas vinha com pedras, garrafas, fogos de artifício e barricadas. A polícia conseguiu realizar algumas detenções.
Houve protestos em outras cidades alemãs, como em Wuppertal, onde 400 ativistas participaram de um ato de rua sem autorização da polícia. Em Nuremberg, 2.500 pessoas foram às ruas. Em Halle, no leste da Alemanha, milhares de manifestantes bloquearam o caminho da passeata dos neonazistas, que sofreram um ataque de pedras, alguns carros dos nazis foram danificados. Em Bremen, 4.000 pessoas tentaram fazer o mesmo. Poucos dias antes do protesto alguns carros de neonazistas foram queimados. Em Hamburgo, 2.500 manifestantes voltaram às ruas da cidade para protestar. Foram registrados confrontos entre um grupo de encapuzados e a polícia..       
Na semana que antecedeu o 1º de Maio, uma série de ações de grupos anarquistas foi levada a cabo, especialmente em Berlim e Hamburgo. Em Berlim, dois edifícios da Agência de Emprego, um banco e o prédio da Associação de Industriais Alemães foram atacados com pedras e bombas de tinta e um carro de uma empresa responsável pelo transporte de resíduos nucleares foi incendiado.
Em Hamburgo, houve ataques incendiários contra duas viaturas da polícia e três carros da empresa do ramo da energia nuclear Vattenfall e vários carros de luxo.
Fotos 1º de Maio anticapitalista de Berlim:
agência de notícias anarquistas-ana
A fruta aberta
revela o mistério
da raiz: néctar.
Roberto Evangelista